Regiões Norte - Noroeste e Lagos do Estado do Rio de Janeiro

Deus seja louvado!

Notícias Norte e Noroeste

Norte e Noroeste: Análise da Uenf descarta riscos de contaminação em humanos nas águas dos rios Muriaé e Paraíba

Substância tóxica caiu em afluente do rio Muriaé, após caminhão com produto químico tombar na BR 356

Norte e Noroeste: Análise da Uenf descarta riscos de contaminação em humanos nas águas dos rios Muriaé e Paraíba
IMPRIMIR
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

 A análise das amostras recolhidas ao longo do local do derramamento de monoetilenoglicol no córrego da Pratinha, afluente do rio Muriaé, até o rio Paraíba do Sul, mostrou que não há parâmetros para toxidade do produto em seres humanos. O material foi analisado pelo Grupo de Pesquisa em Química Ambiental da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf), em Campos, cujo resultado foi divulgado nesta sexta-feira (29). Na última terça (26), um caminhão com o produto químico tombou na BR 356, na altura de Curva de Prata, próximo a Patrocínio do Norte (MG), e a substância tóxica acabou atingindo o córrego da Pratinha. O monoetilenoglicol é uma substância que pode provocar intoxicação com sintomas como insuficiência renal e problemas neurológicos. Segundo o relatório, foi detectado 0,29 mg/L na água do rio coletada na altura de Três Vendas e 0,25 mg/L nas amostras coletadas em Italva, Itaperuna e foz do Muriaé. "As amostras apresentaram valores bastante próximos ao limite de quantificação do método de análise. Não há limites conhecidos para toxicidade humana com relação ao monoetileno glicol, porém valores acima de 6 mg/L já foram detectados em vinhos na Itália e o documento de toxicidade apresentado pela OMS (2002), o limite de consumo diário para este composto seria de aproximadamente 1,75 mg/L diário para uma pessoa com massa corporal em torno de 70 kg", diz o documento assinado pela professora Maria Cristina Canela Gazotti.

Para realizar a análise foi utilizado um cromatógrafo a gás com detector de ionização em chama (GC-FID) contendo uma coluna CarboWax de característica polar. "Inicialmente, foram utilizados os padrões do composto alvo para realização de uma curva analítica de 1 mg/L até 20 mg/L, com um limite de detecção de
0,10 mg/L e limite de quantificação de 0,25 mg/L. As coletas foram realizadas pela Águas do Paraíba e entregues ao laboratório 103 da Uenf, às 17h do dia 27 de outubro de 2021, acondicionadas em gelo", explica o relatório.
O acidente matou o motorista do caminhão e deixou o ajudante ferido. Inicialmente, o caminhão tinha capacidade para transporte de 32.420kg do produto, mas ainda está em investigação a quantidade transportada e parte do produto foi recolhido pela empresa responsável. O caminhão tinha saído de Camaçari, na Bahia, e tinha como destino Macaé (RJ).

FONTE/CRÉDITOS: Folha 1
Comentários:

Veja também